Máquina de solda ou inversora de solda?

Máquina de solda ou inversora de solda?

As máquinas “transformadoras” de solda ainda continuam no mercado em grandes metalúrgicas, serralheiras e oficinas, mas o que vemos na verdade, é que as inversoras de solda vem ganhando cada vez mais espaço.

E graças a tecnologia que vem tendo uma função importante no processo de soldagem e facilitado e muito a vida do soldador, as inversoras de solda tem ganhado espaço e relevância por conta de muitos fatores, com ciclo de operação bem mais eficiente.

Quando colocamos as máquinas e inversoras próximas, percebemos a grande diferença entre elas. As máquinas de solda são capazes de trabalhar com materiais que exigem mais resistência.

Por sua vez, as inversoras de solda se destacam pelo tamanho bem mais compactos e, é claro, facilitando o transporte de um lado para o outro, porque possuem alças fixas ou removíveis.

Todos trabalhos voltados para área de manutenção – as inversoras são muito bem vindas, mesmo porque pesam até 30% a menos que as máquinas de solda, não oferecem essa opção de locomoção.

E apenas para lembrar, que todo soldador deve sempre utilizar equipamentos de proteção para evitar acidentes graves…temos um ótimo texto que explica um pouquinho de cada equipamento de proteção https://elastobor.home.blog/2019/08/21/seguranca-no-trabalho-com-solda/

Máquina de solda é nada mais nada menos que um controle sobre a energia que ela pega da rede elétrica, alimentadas pela rede com uma tensão (V) “Alta” e uma corrente (A) “Baixa”.

Sua função é “modificar” essa forma de energia que pegou da rede e torná-la útil para derreter um consumível, seja ele um eletrodo revestido, uma vareta TIG ou um arame MIG.

Já as inversoras, tem sua constituição basicamente através da eletrônica. Assim, pegamos todo aquele peso e brutalidade do transformador de solda e substituímos pela eletrônica de potência.

1º – Transforma a energia de entrada (110 ou 220V) de CA (corrente alternada) para CC (corrente contínua)
2º – Induz uma alta corrente de saída através de semicondutores de potência
3º – Estabiliza o arco elétrico para uma solda macia e perfeita

Com a Corrente Contínua (CC ou DC) na saída, temos condições de soldar qualquer tipo de eletrodo revestido.

Quando pensamos em economizar, esse também é um ponto que merece destaque, a máquina de solda inversora com sua tecnologia moderna reforçada pela eletrônica, se mostra comprovadamente mais eficaz na economia de energia, reduzindo a despesa em até 50% do gasto de um transformador de solda.

Transformadores consomem em média 40A quando estão soldando, e seus 7A enquanto ligados à rede mesmo sem soldar (chamado de consumo em vazio). Já uma inversora de solda consumirá em torno de 12A, e enquanto repousa ligada à tomada consumirá praticamente nada.

As inversoras podem soldar qualquer tipo de eletrodo, afinal de contas, o mesmo equipamento é capaz de realizar várias tarefas, soldando os mais diversos tipos de materiais, desde o aço-inox até o ferro fundido.

A eletrônica desse tipo de máquina é baseada em 4 componentes principais: Capacitor, IGBT, Diodos e o Transformador principal. Sendo que a qualidade deles é o que vai dizer se uma máquina vai ter maior ou menor durabilidade.

E não é só isso, com apenas uma tocha tig e um cilindro de gás argônio e claro, uma inversora de boa qualidade, pode adaptar para a solda TIG e usar para este processo.

As transformadoras, por sua vez, como já dissemos, são limitadas nesses aspectos.

A máquina de solda inversora é pequena no tamanho, mas sua potência é muito maior que a transformadora de solda. A inversora opera na faixa dos 100 khz – enquanto a máquina transformadora trabalha na faixa dos 60 khz.

máquina de solda inversora,  costumam operar com ciclos de trabalho bem mais elevado que a transformadora, sua capacidade sobe normalmente para algo em torno dos 60% (seis minutos de trabalho por quatro de descanso), reduzindo sensivelmente a necessidade de parada.

Os melhores transformadores costumam operar com ciclos de trabalho de 30% (ou seja, a cada dez minutos, pode-se utilizar a máquina por três minutos e é preciso deixá-la em descanso pelos outros sete minutos para que o equipamento se resfrie).

Contudo, já podemos achar no mercado equipamentos com capacidade de operação em 100% do ciclo, ou seja, solda sem parar. No fim das contas, significa economia e rapidez na entrega do serviço.

Acho que aqui, será o único item que vejo a máquina de solda ser melhor que a inversora, (uma opinião pessoal ok, respeito a preferência pelas transformadoras 😉 ), apesar da máquina de solda apresentar diversas limitações por conta da tecnologia, como a limitação de trabalhar com eletrodos E6013/OK46 o que restringe sua aplicação em áreas industriais, e assim, também ser mais suscetível a contratempos, (como o eletrodo ficar grudado na peça quando há variação para uma tensão menor que 220V).

Quando falamos em manutenção dessa máquina, encontrar peças de reposição é uma tarefa MUITO MAIS fácil, e o valor de reparo normalmente, é bem mais baixo que das inversoras.

Os assistentes técnicos de inversoras, talvez porque ainda não dominem muito todo tecnologia da ferramenta, para qualquer probleminha já dizem que precisa fazer a troca da placa da inversora e isso na maioria das vezes, custa caro meu amigo.

 

  Vantagens Desvantagens
MIG/MAG – não há necessidade de remoção de escória;
– não há perdas de pontas como no eletrodo revestido;
– o tempo total de execução de soldas de cerca dá metade do tempo se comparado ao eletrodo revestido;
– alta taxa de disposição do metal de solda;
– alta velocidade de soldagem, menos distorção das peças.
– regulagem do processo bastante complexa;
– não deve ser utilizado em presença de corrente de ar;
– probabilidade elevada de gerar porosidade no cordão de solda;
– produção de respingos;
– manutenção mais trabalhosa;
– alto custo do equipamento em relação à soldagem com eletrodo revestido;
– alto custo do arame consumível.
TIG – produz soldas de qualidade superior, geralmente livres de defeitos, ótimas propriedades mecânicas e acabamento;
– está livre dos respingos que ocorrem em outros processos a arco;
– permite excelente controle na penetração de passes de raiz;- pode produzir excelentes soldagens autógenas (sem adição) à altas velocidades;
– permite um controle preciso das variáveis da soldagem;
– solda praticamente todos os metais industrialmente utilizados, inclusive metais dissimilares;
– permite um controle independente da fonte de calor e do material de adição;
– taxas de deposição inferiores com processos de elétrodos consumíveis;
– requer soldadores altamente qualificados;
– é menos econômico que os processos de elétrodos consumíveis para espessuras a 10 mm;
– pode haver inclusões de tungstênio, no caso de haver contato do mesmo com a poça de soldagem;
– pode haver contaminação da solda se o metal de adição não for adequadamente protegido;
– há baixa tolerância e contaminantes no material de base ou adição;

 

                                                 Matéria sobre tig e mig extraído do blog “serralheria na veia”

Para os processos MIG/MAG, os equipamentos necessários para soldagem manual são a tocha de soldagem e acessórios, o motor de alimentação do arame e a fonte de energia. Nos processos TIG de soldagem manual é necessário ter basicamente a tocha de soldagem com o eletrodo de tungstênio, a fonte de energia e o gás de proteção.

Deseja adquirir esses produtos ? Acesse nossa loja virtual abaixo: https://www.elastobor.com.br/inversora?utm_source=bsolda

Ou se precisa conversar e obter mais dados técnicos , fale com um consultor via whatssap 1198792-0030 ou preencha o formulário que ligamos pra você !

Até a próxima matéria! 😉

4 Replies to “Máquina de solda ou inversora de solda?”

  1. Sim!
    Até eu mesmo havia dúvidas em algum ponto ou a diferença de uma máquina de solda prá outro modelo de serviço que as máquinas oferecem em geral.

Curtiu essa matéria?

%d blogueiros gostam disto: